Recuperação Dependentes Químicos, Alcoolismo e Depressão
Clínica com 38 anos de experiência na reabilitação de dependentes químicos, no tratamento do alcoolismo e depressão.
Ligue (11) 4414-5577
Ou preencha o formulário abaixo

Política de privacidade para Clinica Maxwell

Todas as suas informações pessoais recolhidas, serão usadas para o ajudar a tornar a sua visita no nosso site o mais produtiva e agradável possível.

A garantia da confidencialidade dos dados pessoais dos utilizadores do nosso site é importante para o Clinica Maxwell.

Todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que usem o Clinica Maxwell serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de outubro de 1998 (Lei n.º 67/98).

A informação pessoal recolhida pode incluir o seu nome, e-mail, número de telefone e/ou telemóvel, morada, data de nascimento e/ou outros.

O uso do Clinica Maxwell pressupõe a aceitação deste Acordo de privacidade. A equipa do Clinica Maxwell reserva-se ao direito de alterar este acordo sem aviso prévio. Deste modo, recomendamos que consulte a nossa política de privacidade com regularidade de forma a estar sempre atualizado.

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoas quando visita o nosso website. Isto poderá incluir um simples popup, ou a solicitação de endereço de email.

Você detém o poder de desligar os seus cookies, nas opções do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas Anti-Virus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites. Isso poderá afetar ou não permitir que faça logins em programas, sites ou fóruns da nossa e de outras redes.

Nós da Clínica Maxwell buscamos a possibilidade de repensar a problemática de dependência de drogas, do álcool, problemas como depressão e ansiedade e outros distúrbios com uma atitude desprendida de preconceitos, sensacionalismo, distorções e medos que, com frequência, envolve este tema.

Não aceitamos que rótulos como “drogados”, “doente metal”, “esquizofrênico”, sejam aplicados as pessoas que passam por estes problemas considerados físicos e psicológicos.

Consideramos enganosa a generalização de que o uso de drogas, por exemplo, ocasiona um comportamento desviado, pervertido ou transgressor. Os que nos procuram para este tratamento possuem um traço sociológico comum.

Nossos pacientes têm, em média, de 25 a 40 anos, sendo provenientes de todos os meios sociais e, em sua maioria, estão separados das famílias, ou do ponto de vista do espaço físico, ou no que diz respeito ao aspecto ídeo-afetivo.

Como pesquisadores do comportamento humano acreditamos na abordagem de psiquiatria social, afastando os fantasmas dos receios da realidade de forma a não nos iludirmos com uma ciência onipotente e milagrosa.

Acreditamos, também, que a personalidade é construída socialmente, ou seja, as nossas práticas cotidianas, mesmo aquelas aparentemente mais subjetiva, mais particulares, de alguma forma só podem ser entendidas em função de um quadro social anterior.

Nossa referência

As primeiras experiências psiquiátricas do tipo comunitário aparecem em 1942 na Inglaterra, como tentativa de desprender-se da visão do “doente mental” como entidade irrecuperável. As experiências de Maxwell Jones foram os primeiros passos da nova psiquiatria institucional comunitária, estabelecida sob as bases essencialmente sociológicas.

A utilização desse princípio possibilita o despertar da responsabilidade individual e grupal. Objetiva estimular a participação de todos nas atividades utilizadas, como meio de afastarmos o processo de alienação da realidade pessoal do paciente em recuperação.

Tratamento

A responsabilidade pelo tratamento é atribuída ao corpo técnico, comunitário, familiares e voluntários, que participam do ambiente hospitalar.tratamento

O nosso interesse não é converter nossos esforços em uma cruzada antidrogas, mas sim contribuir para um melhor projeto de vida. Consideramos necessária uma mentalidade, na qual podem-se utilizar os critérios médicos e psicológicos, mas também, onde se tem a possibilidade de enriquecer-se com uma quantidade de meios e conhecimento de que dispomos de outras ciências, tais como, a antropologia, a filosofia e sociologia.

A dependência química, tem cura?

O conceito de “cura” substituímos por “amadurecimento”, tratar significa crescer, amadurecer, evoluir. Nisso estamos empenhados e invictos. Cada um dos pacientes que passaram pela Clínica Maxwell obtiveram, dentro das nossas limitações, um certo grau de “amadurecimento”, de aprimoramento e consequentemente minimizadas as dificuldades que nos foram apresentadas.

Existe uma crescente aceitação do fato que: um dos maiores obstáculos do tratamento do dependente em drogas, não é tanto a sua “dependência psicológica” ou “fisiológica”, em relação à droga propriamente dita, mas sim a sua “dependência em relação à maneira de vida como pessoas dependentes”.

 “Para os dependentes, os marginalizados somos nós, para nós, os marginalizados são eles.”

Fale conosco agora! – (11) 4414-5577